Skip to content

ei Jair, apesar de você, amanhã há de ser outro dia.

Jair Messias Bolsonaro, de 63 anos, é o novo presidente eleito do Brasil. O capitão reformado e deputado federal foi eleito pelo Partido Social Liberal (PSL), ao qual se filiou meses antes do início oficial da campanha eleitoral de 2018. Importante frisar que desde que ingressou na vida política, em 1988, o deputado federal Jair Bolsonaro já integrou sete partidos.

Estou um pouco incrédula ainda, mas é visível que perdemos essas eleições antes mesmo dos resultados. A verdade, por mais difícil que seja, é que a semente do fascismo já ganhou no Brasil. Elegemos um parlamento ultraconservador e cada vez mais enfrentamos dificuldades em passar propostas progressistas além da divisão já estabelecida e do forte antipetismo. Vários líderes religiosos dispersos com atitudes ditatoriais ainda não se posicionaram abertamente, contudo agora sabemos que a tendência é um governo motivado pelo ódio, ignorante, que não aceita opiniões contrárias.

Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República, foi esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais. Uns acreditam em karma, outros não.

Com a vitória do Jair Messias Bolsonaro, sabemos que a barbárie terá carta branca. E o candidato, mesmo não praticando nenhum crime, suas palavras avalizam as atitudes mais extremas nas ruas do Brasil. Pessoas estão sendo espancadas por estarem unicamente usando camisas “Ele Não”.

Pessoas estão sendo maltratadas por usar vermelho, por dissentir, apenas por pensarem diferente.

Adolf Hitler também ganhou a eleição. Não foi na primeira tentativa, mas com milhões de votos conseguiu construiu o caminho. Ele elegeu maioria, depois se tornou chanceler, em seguida fechou o parlamento, então reabriu com poucos partidos. Por último, aprovou a Lei Habilitante que lhe dava plenos poderes por tempo indeterminado, fechando assim partidos e sindicatos e iniciou a política higienista. Primeiro foram os comunistas, depois os judeus, homossexuais, negros, socialdemocratas, cristãos não-alinhados, imigrantes, entre outros.

A Lei de Concessão de Plenos Poderes de 1933 ou Lei Habilitante de 1933 (em alemão: Ermächtigungsgesetz) foi aprovada pelo Reichstag da Alemanha e assinada pelo presidente Paul von Hindenburg em 23 de março de 1933. Foi o segundo grande passo, após o Decreto do Incêndio do Reichstag, através do qual o chanceler Adolf Hitler obteve legalmente plenos poderes, estabelecendo assim a sua ditadura. O nome formal da Lei habilitante é Gesetz zur Behebung der Not von Volk und Reich (em português: Lei para sanar a aflição do Povo e da Nação).

A principal e maior diferença é a presença feminista a representatividade que conseguimos com muita luta. A história que ajudamos a construir com a Manifestação do dia 29 de setembro de 2018, elegemos 75 deputadas federais, só comprovam o fato de que não podem mais nos negar o que é nosso por direito.

Estamos em um processo de popularização do feminismo, que está espraiado na sociedade. Ninguém mais pode dizer que é contra os direitos das mulheres.

Jair venceu, mas venceu em um país dividido, cercado de incertezas sobre sua real convicção na democracia. E essa é uma desconfiança é justificada, afinal ele passou a vida pregando a violência, numa atitude que foi muito além da campanha eleitoral. E sabemos que não se governa, contudo, em meio ao ceticismo da opinião pública e com um exíguo apoio no Congresso, principalmente quando precisamos de reformas urgentes, como a da previdência, por exemplo.

E o que eu espero com tudo isso?

A frase do poeta Sergio Vaz se encaixa bem no que tenho em mente: a nossa luta é para uma vida inteira. Estamos só começando.

Comentários

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *