Skip to content

8 dicas para você cuidar bem da sua larissinha.

Essa dica é básica e deveria ser ensinada ainda quando somos criancinhas. Depois de fazer xixi, o melhor é se limpar no sentido da frente para trás, sabe por quê? Porque assim você evita trazer para frente as bactérias do ânus que são nocivas à sua região íntima. Se for fazer cocô, mesma coisa! De frente para trás, mantendo o papel o mais longe possível da sua vagina. Nessas horas lavar com água ou usar um lenço umedecido neutro pode ser ainda melhor!

“Para ter saúde no interior da vagina, você não precisa fazer nada”, disse a médica Jennifer Gunter, ginecologista e obstetra em São Francisco, EUA. “Deixe-a em paz. Ela é como um forno autolimpante.” Mas, em vez de um limpador de forno, você tem toneladas de bactérias do bem chamadas lactobacilos trabalhando para manter tudo impecável.

Como assim? Calma que a gente explica. A sua vagina é autolimpante, pois tem um ph naturalmente perfeito. Então pode esquecer ducha vaginal ou qualquer outro tipo de “limpeza” interna, porque além de desnecessárias podem alterar o seu ph e deixar a região mais suscetível à infecções. Tô fora! Então como que lava? Miga, você precisa lavar somente a região EXTERNA, também conhecida como vulva! Somente com os dedos você pode delicadamente lavar aquelas “preguinhas” com todo carinho para não machucar e pronto! Tá limpíssima!
Tanto os sabonetes íntimos, como os sabonetes comuns que a gente usa no banho você deve manter distantes da sua larissinha! Eles podem desequilibrar o ph vaginal, que como já vimos, é naturalmente perfeito! E se for sabonete em barra a coisa só piora, pois ele pode acumular bactérias nocivas que entrarão em contato com a região íntima. Agora pasme! Sabia que você só precisa de água para lavar a sua região íntima? Isso mesmo! Lavar somente com água já é o suficiente para manter a região íntima limpinha e saudável. Por essa você não esperava, né?

Importante: se você tiver que usar sabonete, escolha um com o mínimo de ingredientes.

Os protetores diários descartáveis possuem camadas plásticas que impedem a pele de respirar e deixam aquele ambiente quentinho e abafado perfeito para a proliferação de bactérias. E lá está nossa ppk suscetível a infecções de novo! Além disso, eles possuem componentes químicos super prejudiciais. Mas como o nosso corpo é perfeito, sabe o que ele faz quando detecta a presença desses componentes desconhecidos? Aumenta a secreção vaginal! Isso mesmo! A defesa natural do corpo produz essa secreção extra como forma de evitar possíveis infecções! Vale a pena fazer o teste, depois de algumas semanas sem usar, a secreção diminui!

Alternativas como o coletor menstrual, o absorvente de pano e a calcinha absorvente podem ser escolhas mais econômicas e mais saudáveis que os absorventes descartáveis. Já pensou em experimentar algum desses produtos

Não esqueça: coletores menstruais não podem tirar a sua virgindade, só a relação sexual!

Deixe a sua larissinha respirar! Sim, existe a opção dos protetores de calcinha de pano, mas isso não significa que eles devem ser usados continuamente. É importante que a região vaginal respire livremente em pelo menos alguns períodos do dia.
No momento da relação sexual, a sua vagina entra em contato com várias bactérias de outros lugares. E essas bactérias do mal podem chegar até a uretra e aí já viu! Sabe aquele infecção urinária chata? Pois é, ela pode ter origem nesse momento! Uma boa maneira de evitar isso é fazer xixi após a relação sexual para se livrar dessas bactérias que chegaram até o canal urinário. O ideal mesmo seria tomar um banho antes e depois do sexo. Mas como a gente sabe que nem sempre isso é possível, um xixizinho depois do vuco-vuco já ajuda muito.
Não tem nada de errado em lavar a calcinha no banho usando um sabonete neutro. O problema mesmo é deixar a calcinha secando no box. O banheiro é uma região úmida, sendo assim sua calcinha vai demorar mais para secar e sabe o que isso significa? Proliferação de bactérias e fungos que podem causar infecções, como a candidíase! Se você tem o hábito de lavar suas peças íntimas no banho, leve suas calcinhas para secar no varal, em um ambiente seco e arejado.
Se a sua vagina tem cheiro de morango, chocolate ou menta então tem alguma coisa errada. A vagina precisa ter cheiro de vagina! Aceite o seu cheiro natural! Mais uma coisinha: ter corrimento é normal! O famoso muco cervical muda de cor e de textura dependendo de qual período do ciclo menstrual você se encontra. Às vezes ele pode ser mais transparente ou mais branco amarelado. Só é realmente um problema quando você notar uma cor diferente ou odor forte. Aí sim é hora de marcar uma consulta. Caso contrário, tudo nos conformes!

A ginecologista Bárbara Murayama, coordenadora da Clínica da Mulher do Hospital 9 de Julho, explica que a região genital possui um odor característico, que é normal, não incômodo e geralmente imperceptível para outras pessoas – a menos que algo esteja errado com a saúde íntima.

“Tanto o odor como o fluxo podem se modificar conforme o dia do ciclo, se a mulher usa ou não anticoncepcionais e quais, se toma remédios, conforme o parceiro sexual e até mesmo a alimentação”, acrescenta Adriana Paredes Ríos, ginecologista e obstetra do Hospital Geral Universitário de Valência. Todos coincidem em que “a secreção vaginal não cheira” e que, quando isso acontece, “na maior parte das vezes se deve a uma infecção”, ressalta Jesús Grande, responsável pelo Setor de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital 12 de Outubro.

Se a cor do fluxo também muda, os médicos aconselham a consultar um ginecologista “porque essas infecções têm tratamento local e não representam um risco para a mulher”. Na verdade, “são muito frequentes nas mulheres em idade fértil e, portanto, simples de ser diagnosticadas e tratadas”, tranquiliza o ginecologista Jackie Calleja.

Como diria a poeta Valesca: “nossa pussy é o poder”! A região íntima feminina é naturalmente sábia então nada de querer mudar o que já é perfeito, viu?
Em conclusão, ame sua vagina.

A sociedade e a mídia prosperam se divertindo com as nossas vulvas, e zombam delas como sendo “mal-cheirosas”, feias, fora dos padrões. As referências ofensivas, enchem nossas mentes com duvida e nossa autoestima soma-se a nada.

Acredite: sua vagina é normal e não permita que a sociedade lhe diga o contrário.

 

Conhecendo um pouco da ilustradora Layse

Layse Almada é formada em moda, nasceu em Belém do Pará e foi criada em Macapá no Amapá. Seus desenhos surgiram como terapia para síndrome do pânico. Sou apaixonada desde sempre por esses desenhos maravilhosos e meu sonho é conhecê-la pessoalmente. Não deixem de segui-la pelas redes sociais e conhecer seu trabalho como tatuadora: Facebook, Instagram e Tumblr. “Eu acho que a mulher é muito taxada, a gente sempre foi vista como uma carne, uma coisa que se usa. É uma forma de ser dona de seu próprio corpo, uma forma de representar isso”.

 

Fontes:

Cuidados com a ppk: 9 dicas para manter uma higiene íntima saudável.

Desodorante para a região íntima disfarça odores, mas é seguro?, por Marianna Feiteiro.

Nove dúvidas muito íntimas que tínhamos vergonha de expor ao ginecologista, resolvidas, por Ana Salas.

Comentários

One Comment

  1. Ludmila Ludmila

    Amei as dicas, como a gente conhece tão pouco sobre o nosso corpo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *