Skip to content

6 curiosidades sobre Castração Química que você precisa saber antes de sair falando qualquer coisa por aí.

O método consiste em uma forma temporária de privar o paciente de impulsos sexuais com uso de medicamentos hormonais. Ou seja, não ocorre a remoção dos testículos e o homem continua fértil, mas por ter oscilações na dosagem dos hormônios ele passa a ter dificuldade para ter e manter as ereções e há redução daquele estímulo interno que funciona como fonte de fantasias e nos conduz a procurar situações eróticas.
Existem dois tipos de drogas usados para o procedimento. Um deles simplesmente inibe a produção da testosterona. Já o outro remédio estimula altos níveis da produção hormonal: o corpo é enganado ao acreditar que há uma produção excessiva de testosterona e inibe a produção natural. A droga pode ser comprada na farmácia por um valor em torno de R$ 2 mil a R$ 3 mil por injeção, e existem drogas injetáveis ou orais, que os pacientes precisam tomar diariamente, mensalmente, uma vez por trimestre ou semestre. As doses também não são fixas, cada medicação tem uma posologia diferente.
As drogas vão mexer com o organismo do homem, mas não impedem o agressor de repetir os delitos. Apesar de ter o impulso sexual diminuído, a libido e os desejos continuam. A cultura do estupro não está no pênis, está no cérebro. Não é sobre tesão, é sobre poder, é sobre subjugar, é para ferir a dignidade de alguém.

 

Aqui reside o nosso maior problema com a discussão acerca da cultura do estupro. O debate não vai além dos órgãos genitais, não perpassa pela sociedade, sequer aborda os ambientes em que eles mais ocorrem (dentro de casa, perto dos familiares, pelos próprios familiares). Não se trata apenas de punir, mas de educar para que uma estrutura social, cultural e complexa possa se regenerar.

Está mais do que na hora de parar de achar que um pinto age sozinho, e em vez de castrar órgãos e mentes, façamos diferente.

Castração química é a ideia de que o estupro está no “pênis”, e não na cultura, p

Fontes:

A castração química impede estupradores? Entenda como o tratamento funciona, por Maria Júlia Marques.

Armar mulheres e castrar agressores não vai acabar com o estupro, por Nana Queiroz.

‘Castração química’ não impede casos de pedofilia e estupro, por Litza Mattos.

Castração química para estupradores, por Eudes Quintino de Oliveira Junior.

Comentários

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *